Implementação BIM

Exupery International School- Latvia 8 A.M. www.8am.lv Foto: Indrikis Sturmanis. Realizado com Archicad.

 

A implementação do BIM num atelier não acontece da noite para o dia.

É um processo gradual, de modo a que a experiência necessária possa ser adquirida passo a passo e ajustada sempre que necessário.

A transição para o BIM é diferente para cada atelier e requer uma estratégia feita à medida. A ND-TI estará presente para apoiar e orientar esta abordagem, passando pelas seguintes fases:

 

Levantamento da situação atual

Ao analisar a situação do seu atelier, colocaremos múltiplas questões com o intuito de perceber o porquê da implementação do BIM no seu caso específico. Qual é a sua atividade principal? Quais são os seus pontos fortes, mas também as suas limitações? Quais são as dificuldades frequentemente encontradas durante um projeto? Os seus clientes estão interessados no BIM? Os seus parceiros já adotaram o BIM?

 

Definir os objectivos

Após o levantamento da situação atual, teremos uma ideia das razões que o levam a querer migrar para o BIM. Embora existam muitas possibilidades, a relevância do BIM varia de atelier para atelier. Por conseguinte é útil fazer uma lista do que se pretende alcançar com o BIM e distinguir entre objectivos a curto e a longo prazo.

O BIM permite, por exemplo, criar diferentes vistas a partir de um modelo 3D, extrair quantidades para orçamentação e encomenda, reduzir os erros em obra, produzir facilmente variantes do projeto, determinar o estado do projeto ou receber e enviar informação para os seus parceiros de uma forma mais estruturada e eficiente.

 

Escolha do hardware e do software

Procederemos a uma avaliação do seu sistema de informação. Migrar para uma solução de software BIM, sem ter hardware adequado e corretamente configurado, é caminho certo para uma implementação BIM deficiente ou um abandono e retrocesso para a metodologia anterior.

 

Formação e escolha do projeto-piloto

Iremos formar a sua equipa na utilização da solução BIM Archicad, tendo em conta as necessidades específicas do seu atelier quanto à tipologia/complexidade de projetos que habitualmente realiza.

 

Programa base de formação, sujeito às adaptações específicas ao seu caso:

  • Introdução ao Ambiente Archicad – Paletes / barras de ferramentas e preferências do projeto. Configuração do ambiente de trabalho.
  • Ferramentas de desenho e documentação 2D – linhas, tramas, cotas e textos. Adaptação aos comandos, ferramentas de edição,  seleção e introdução de dados. Atributos básicos.
  • Formatos de ficheiro. Importação de elementos de referência.
  • Processo de organização do projeto
    • Importação de elementos de referência: desenhos, topografia, referências, pontos de nuvens.
    • Organização e estrutura dos elementos de projeto
    • Desenvolvimento do projeto
    • Entender as diferentes fases do projeto e o nível de detalhe/informação necessário a cada fase
  • Processo de Modelação do projeto
    • Paredes
    • Lajes
    • Coberturas
    • Terrenos
    • Escadas e Guardas
    • Portas e Janelas
    • Objectos
    • Pilares e Vigas
    • Membranas e Morphs
    • Parede Cortina
    • Zonas
    • Desenvolvimento de objetos (dicas e truques)
    • Importação de dados/objetos de portais BIM: Bimobject
  • Processo de Documentação do projeto
    • Funcionamento do Navegador de projeto
    • Filtros e combinações de visualização
    • Mapa de projeto, Vistas e Layouts
    • Publicação/exportação de desenhos e/ou modelos
    • Filtros de Renovação (construção/demolição e legalização)
    • Sobreposições gráficas
    • Propriedades / informação do modelo
    • Filtros de nível de detalhe do modelo, de vegetais, de canetas.
    • Atributos de elementos (vegetais, linhas, canetas, tramas, materiais de construção, composições superfícies, perfis complexos)
    • Folhas de trabalhos e Pormenores
    • Mapas de zonas e introdução a  mapas de elementos/componentes/superfícies

 

Após a formação, e em continuidade, surge o passo seguinte: começar realmente a ganhar a experiência necessária. Isto é feito através da criação de um projeto-piloto representativo das atividades gerais do atelier. A partir desse projeto-piloto será criado o primeiro template do atelier que de uma forma genérica dará resposta às necessidades habituais e servirá como base/ponto de partida para os projetos seguintes.

 

Avaliação e melhoria contínua

Qualquer mudança requer esforço. É por isso que é essencial o acompanhamento contínuo. Após os primeiros passos com o projeto-piloto, continuaremos a garantir o suporte nos projetos seguintes, assistindo toda a equipa a gradualmente tirar cada vez mais partido do software, aumentando a complexidade/exigência das metodologias de utilização, com o objetivo de melhorar de forma constante a implementação do BIM no seu atelier.

 

Convém nunca perdermos o foco no essencial

Considere sempre o que quer do BIM e não seja demasiado ambicioso desde o início, mantenha o processo simples e não se concentre inicialmente nos detalhes.

Todas as partes têm expectativas diferentes, por isso ouça o que todos (colaboradores, parceiros e clientes) querem.

O BIM por si só não é um objectivo, a sua implementação e a metodologia envolvida, são uma forma de alcançar melhores resultados: comunicar e colaborar mais rapidamente, evitar erros e trabalhar de forma mais eficiente e produtiva para realizar projetos de qualidade.

Contacte-nos, dê o primeiro passo na sua Implementação BIM!

© 1998-2021 ND Tecnologias de Informação